quarta-feira, 30 de setembro de 2009

CARTA ABERTA - PREFEITO SANDRO MATTOS

Eu, Fabiana Soares, 28 anos, brasileira, católica, desempregada, estudante de Pedagogia, venho por meio desta carta aberta manifestar a minha indignação perante o comportamento e o desrespeito de jovens infratores residentes em São João de Meriti.
É com muito pesar que afirmo, que somos abandonados! Ainda que o Sr. Prefeito esteja se esforçando para arrumar a bagunça, o principal nos falta: SEGURANÇA! Não cito apenas a segurança física, cito também a segurança moral!
As pessoas cometem crimes como se estivessem fazendo algo louvável, o pior é que elas nem fazem idéia de que estão infringindo leis, seria por falta de informação? Talvez. Poderia citar também a falta de educação? Poderia, a falta dela contribui bastante para que haja casos como esse. Mas, na minha opinião, o grande responsável por atos sem limites e sem noção de alguns jovens é o DESCASO!
A informação está acessível a todos através da rede mundial de computadores a INTERNET, mas os jovens só se ocupam de sites de relacionamento, msn, chats on line, sites pornôs, games e futilidades! Eu não tive nenhuma dificuldade em achar a Constituição Federal, Código Penal, Leis Estaduais, Decretos e tudo mais, na íntegra, pelos sites oficiais do governo, mas isso é muito chato não interessa a esses jovens nem a alguns governantes! Mas precisamos mudar isso Sr. Prefeito!
No dia 27/09/09 eu, minha família e todos os vizinhos fomos vítimas desses jovens, não só desses jovens, mas também, do dono do estabelecimento comercial onde tudo aconteceu, fomos violentamente agredidos! Agressões moral, sonora, psicológica, visual.
Esses jovens, mais ou menos 15 rapazes, chegaram juntos conduzindo carros e motos até esse estabelecimento, por volta das 15:00h, ligaram o som do carro no último volume, onde ficou inviável assistir TV mesmo com portas e janelas fechadas, já começaram infringindo a Lei Estadual n° 126 de 10/05/77 conhecida como Lei do Silêncio.
Com o passar do tempo chegaram mais jovens inclusive meninas menores, mediante a isso resolveram reproduzir funks apelativos, fazendo apologia ao crime e ao sexo na rua, uma via pública de um Bairro residencial, todos cantando e dançando, simulando o ato sexual (rapazes com o sexo exposto roçando em meninas e gays) ou como se tivessem com armas em punho atirando com sons que reproduziam rajadas de metralhadora, isso na presença de idosos, menores inclusive crianças com menos de 2 anos de idade, onde suas mães (adolescentes) estavam ensinando a seus filhos a cantar e dançar igual a elas, todos (sem exceção) estavam ingerindo bebida alcoólica e expondo as pessoas a esse tipo de situação! Só aí, eles infringiram pelo menos 5 (cinco) Artigos do Código Penal e o Estatuto da Criança e do Adolescente.
O que mais me deixa revoltada é que mediante a todos esses crimes a Polícia foi acionada 3 (três) vezes com intervalo de 1 hora em cada chamada e não deu importância as denúncias. Falta de respeito dos jovens infratores, maior é a falta de respeito da Policia atuante no Município. O 21° Batalhão foi acionado 2 (duas) vezes pelo 190 e a 64°DP 1 (uma) vez pelo plantão policial e nenhuma viatura ou policial compareceu ao local solicitado! Onde fica o nosso direito?
A Constituição da República Federativa do Brasil no Capítulo III - Da Segurança Pública, Art.144 §5° diz: às polícias militares: cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública(...)Esse direito nos foi negado e ficamos 5 (cinco) horas reféns desses jovens, obrigados a ouvir além de músicas ofensivas, gritarias e badernas!
As 20:30 foram embora visivelmente embriagados e conduzindo carros e motos, com isso colocando vidas em risco e infringindo mais uma a lei, a Lei n°11.705 de 19/06/08 conhecida como Lei Seca.
No dia 29/09/09 ficamos mais uma vez perplexos! Nas esquina da R.Maria Magalhães com Vespaziano Magalhães mais ou menos 20 jovens estavam armados de paus, pedras, barras de ferro e outras coisas mais, esperando um outro grupo que viriam se vingar por conta de um espancamento de um menor que havia acontecido no dia anterior!
Assustados os comerciantes do local fecharam seus comércios, e foram embora, a rua ficou tomada por esses jovens, que não aparentam ter mais de 18 anos, meninas com até 15 anos e crianças de até 5 anos serviam como torcida! UM ABSURDO!
O 190 mais uma vez foi acionado e o 21° Batalhão não mandou nenhuma viatura que chegasse a tempo de impedir qualquer violência, tudo aconteceu em um intervalo de mais ou menos 2 horas até que esses jovens se deslocaram para a R.Eunice Magalhães sem que fossem abordados por nenhuma autoridade policial.
O caso foi denunciado a Ouvidoria da PMERJ e esperamos que esteja sendo averiguado pelos órgãos competentes, fica registrado aqui o meu apelo à população para que denuncie qualquer crime, abuso, arbitrariedade! Não podemos nos calar!
Essa carta aberta foi escrita com objetivo de tornar público a má atuação da polícia no Município, e levar ao conhecimento do Excelentíssimo Prefeito de São João de Meriti Sr. Sandro Mattos, para, se for o caso, tomar providências cabíveis, ou pelo menos fazer a apuração dos fatos!
Infelizmente não tenho como identificar esse jovens infratores, nem os do dia 27/09, nem os do dia 29/09, mas acho que se houver uma investigação e boa vontade da polícia é fácil chegar, pois eles sempre fazem as mesmas coisas, estão nos mesmos lugares, enfim, só basta boa vontade!
É triste ver uma geração inteira se perder por falta de ação policial, descaso dos governantes, falta de educação e informação! Depois não sabem explicar a população porquê os índices de violência vêm aumentando a cada dia, pede-se a contribuição com denúncias, mas essas quando chegam não são averiguadas! Traficantes não viram traficantes do dia para noite, são jovens como esses que estarão no comando mais tarde, o que será de nós, cidadãos de bem?
Fica a sugestão para a Secretaria de Educação para que seja inserido no currículo escolar o estudo de Leis, da Constituição, do ECA e tudo aquilo que possa fazer de nossas crianças cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, cidadãos com ética, moral, educação e menos marginalizados! Ou que ao menos saibam respeitar o próximo.

Até a próxima, muito obrigado pela atenção, cordialmente:
Fabiana Soares
phabyana@globomail.com

5 comentários:

  1. Atos como esses, erotizados, exibicionistas, violentos, amorais, são característicos do que chamamos de 'sociedade do excesso sem exceção'. Sociedade onde tais pulsões psicológicas são caracterizadas pelo excesso generalizado. Esse excesso representa a falta de um limitador: da lei, do pai, da palavra 'não' e do proibido.

    O que é a sociedade senão um pouco de renúncia do próprio gozo psicológico em prol do bem-comum? A isto chamamos civilização.

    Portanto, se não há essa renúncia de parte desse próprio gozo psicológico, está instaurado o processo retrógrado em direção à categoria 'homens-das-cavernas' em parcelas da juventude brasileira. Tal retrocesso civilizatório se compara com uma volta para a animalidade, onde reina o excesso e o descontrole das pulsões primitivas animalescas, onde não há civilidade. Isto não é por problema de Direito ou de repressão, esse problema extrapola esse âmbito.

    O início desse processo descivilizatório se deve à maio de 1968, onde bandeiras de liberalização do sexo, do 'todos iguais perante a lei', enfim, do lema 'proibido proibir' se transformaram em facas de dois gumes: por um lado permitiram a tão sonhada cidadania social e por outro custearam um processo de animalização de parcela da juventude.... tal fato sócio-historico-cultural explica a banalização do sexo, a troca de papéis entre pais-filhos, os assasinatos de pais por filhos, a violência excessiva, o egoísmo desenfreado, os relacionamentos voláteis, a despreocupação das crianças com os estudos, e toda espécie de queda da boa-moral e da autoridade constituída.

    ResponderExcluir
  2. É ISSO BIA TÔ CONTIGO , MEUS PARABÉNS PELA INICIATIVA, TEMOS QUE DENUNCIAR MESMO POIS QUEREMOS UMA CIDADE LIMPA NÃO SÓ DO LIXO MAIS TAMBÉM DESSES MARGINAIS, QUEREMOS UMA CIDADE DIGNA PARA CRIARMOS OS NOSSOS FILHOS.
    NÃO ADMITO TER QUE ME PRIVAR E PRIVAR MINHA FAMÍLIA DE SAIRMOS PARA CURTIR UM FIM DE SEMANA AGRADAVÉL POR MEDO DESSES REBELDES.

    LUIZ FELIPE

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz em saber que as pessoas estão entendendo o propósito dessa carta!!
    Informo que esta carta já chegou até o Prefeito Sandro Mattos que entrou em contato...
    Assim que tiver uma resposta satisfatória posto aqui! Vlw galera, e é assim que lutamos por nossos direitos... colocando a boca no trombone e cobrando sempre!!!

    ResponderExcluir
  4. A partir desta data, enquanto estivermos aqui, conte conosco dia e noite, principalmente a noite, rsrsrsrsrsrsrs.

    E quando não estivermos mais, já sabe o caminho.

    Bjs!

    ResponderExcluir